Identidade

Trate muito bem de si mesma

O que significa ter uma baixa auto-estima?

Significa, entre muitas outras coisas: tratarmos a nós mesmos muito mal; colocarmos-nos em segundo plano; termos uma visão negativa a nosso respeito; não acreditarmos na nossa própria capacidade; acreditarmos que somos vítimas das circunstâncias ou que as outras pessoas têm real poder sobre nós.
Poderia-se pensar que, com todas estas afirmações acima, a pessoa que não se ama seria incapaz de se dedicar a qualquer coisa. De facto, existem aquelas que ficam tão mal, que praticamente se auto-destroem. Porém, há aquelas que tentam um outro caminho. Nas suas mentes trata-se de uma forma positiva de lidar com a situação, mas esta atitude apenas mascara o problema.

No caso do segundo tipo - os aparentemente positivos - quanto menos estas pessoas se gostam, mais dedicadas ficam em relação aos outros. Até parece que dependem de facto da aprovação alheia para existirem. Por isso, é tão fácil reconhecer o tipo: são indivíduos muito generosos, atenciosos e educados, que não falam "não" a nenhum tipo de tarefa ou favor, mesmo que tal evidentemente os atrapalhem ou prejudiquem, que se esforçam em serem os melhores, de modo a que ninguém os possa repreender, julgar ou criticar, etc.
"Mas estas são pessoas muito boas, abnegadas, humildes" nós podemos pensar e afirmar.
Então por que é que, mesmo assim, nada impede que eu as trate com indiferença, desrespeito e abuso? Porque a energia verdadeira que emana delas, que é negativa, faz com que inconscientemente, você não dê valor. Deste modo, tente ser sincera consigo mesma. Quantas pessoas dedicadas assim não nos dão mal estar? Não é por isso que geralmente as mulheres deixam os homens chamados de "bonzinhos" de lado para ficarem com aqueles que exalam autoconfiança e vice-versa?

Para que haja paz, amor e compreensão, é preciso que ambas as partes se policiem. Por isso, se encontrarmos alguém que faz de tudo para ser aceite, devemos reagir de forma positiva. Por mais que tenhamos vontade de ignorar e abusar, devemos de ser justos e correctos, dar a oportunidade à pessoa de se modificar, e de cuidar mais de si mesma. Agora, caso sejamos a pessoa que sofre de baixa auto-estima, devemos de parar de culpar os outros pela nossa situação. Nem ficar no eterno círculo vicioso do "eu faço tudo por eles e não recebo um obrigado", pois o agradecimento realmente não irá aparecer. Fazer o que é o melhor para nós é o principal, e fazer SEMPRE! É esta a sensação de bem-estar e de respeito por nós mesmos que levará os outros a nos tratarem no mesmo nível.
E como aprender-mos a gostar de nós mesmos, quando estamos há anos martirizando-nos?

De facto não é fácil, mas é preciso começar por algum lugar. Que tal estas dicas simples para iniciar novos hábitos?
  • Não ter pressa em justificar-nos quando alguém aponta um erro ou um desconforto. E evitar também justificar em pensamento;
  • Se alguém nos elogiar, aceitar e agradecer. Não desvalorizarmos;
  • Se errar-mos, não devemos de ficar a sentir mal. Errar ajuda-nos a aprender melhor;
  • Aprender a dizer não e também não assumir a responsabilidade dos outros. Cada um deve aprender com os próprios desafios;
  • Se queremos alguma coisa, assumimos nada de dizer: "Tu é que sabes", "O que for melhor para ti";
  • Reservar tempo para os nossos lazeres pessoais, sem culpa;
  • Ficar perto de pessoas optimistas e que se gostam, assim, evita-mos ficar sem energia perto das vítimas e dos reclamões;
  • Não nos ofendermos com tanta facilidade. Se alguém perde a calma, é bruto ou egoísta, isto diz mais sobre a pessoa do que sobre nós;
Por fim, não sejamos nem vítima, nem algozes. É preciso aprender a ouvir e sentir mais, ao invés de simplesmente reagir, sem consciência.



 

1 comentário: