As armadilhas das liquidações

A palavra "liquidação" tem efeitos devastadores no comportamento feminino. Basta as lojas adornarem-se com as tarjas vermelhas de descontos que se instala o corre-corre para deixar a conta bancária da mesma cor. Aí é que mora o perigo: quando a vantagem dos preços baratos se transforma numa armadilha para as finanças?


Controlar os impulsos nem sempre é fácil. O juízo perde-se na temporada de descontos. A vontade de consumir é tanta que, se a roupa está apertada, compramos porque vai ceder; ou quando está larga, convencemos-nos de que, em duas visitas à máquina de lavar, ela encolhe. O número dos pés, por sua vez, é flexível ao último sapato do stock. E o resultado é um guarda-roupa abarrotado de peças que iremos abandonar mais tarde - mesmo com os bons preços, um mau negócio.

SOMAR TODOS OS GASTOS
 Existem dois principais vilões nesta época de preços baixos: gastos fantasmas e impulsos consumistas. No acto da compra, os consumidores não procuram entender a fundo todos os custos que podem estar envolvidos na aquisição.
Exemplo? Apaixonou-se por umas calças com um preço imbatível, mas que só está disponível em modelagem maior que a sua, pense antes de comprar para um ajuste na costureira. Com a quantia do conserto somada, não seria mais vantajoso levar uma do seu tamanho, mesmo com preço cheio? Calcule sempre o preço total da compra. O consumidor idealiza uma despesa e, após ter adquirido o bem, novas despesas vão surgindo sem terem sido planeadas.

O impulso consumista é um velho conhecido nosso. Com as etiquetas reluzindo descontos altos e as facilidades de pagamento, fica mais difícil de resistir. E não nos devemos torturar por isto. Eu sou adepta  do consumo sem culpas. Aproveitar uma liquidação é óptimo, e as pessoas não se devem penalizar por isto. O dinheiro existe para cada um comprar o que quer. O meu único conselho é estabelecer prioridades. Se a pessoa gastou demais na liquidação, terá que estar ciente de que irá fazer renúncias posteriormente. Deve existir uma maturidade no consumo!

ATENÇÃO AOS DETALHES
Além de controle pessoal, é preciso estar atenta para driblar os artifícios das lojas para atrair o olhar. 
Já notaram que os empregados das caixas ficam sempre no fim do corredor dos estabelecimentos? Nada é à toa, assim somos obrigadas a passar por todas as prateleiras antes de efectuar o pagamento! Os descontos progressivos também são traiçoeiros,  precisa de tanto ou está a comprar só para o abatimento do valor aumentar?
Para manter os gastos em rédeas curtas, disciplina é fundamental, quem dedica meia hora por mês às finanças pessoais evita o stress. O ideal é antecipar-se. Se for possível, tentar prever os custos o quanto antes e reservar as quantias para cada conta. Assim, saberá a quantia de dinheiro que está a sobrar para os impulsos.

É importante reservar-se alguns prémios e é melhor fazer isto no fim do mês!


1 comentário:

  1. Hey miúda! Este post foi excelente!! Eu felizmente controlo-me bem :)


    xoxo*

    ResponderEliminar